Érico Brás, humorista do Zorra, e a esposa, a atriz Kênia Maria, foram expulsos de um voo da Avianca na manhã desta quinta-feira, 31. Segundo informações do portal G1, eles estavam em Salvador e viajariam para o Rio de Janeiro às 6h27m.

O ator conta que a confusão começou quando Kênia tentou colocar a bolsa embaixo na poltrona da frente. Ele acredita que o episódio foi um caso de racismo. “Eu e ela sentaríamos nas cadeiras do meio e no corredor. Um passageiro chegou para sentar na janela e nos levantamos. O avião estava cheio e o compartimento de bagagem lotado. Quando ela foi guardar a bolsa embaixo da cadeira, o que é um procedimento padrão, o próprio comandante, que é branco, veio e disse que não poderia ser ali. Foi extremamente grosseiro e mal educado”. declarou.

Érico conta que a Polícia Federal foi acionada depois que um funcionário da empresa não conseguiu resolver a situação. Disse que não tinha motivo para sair do voo e eles me falaram que eu era uma ameaça. Não sou terrorista”, conta Érico, acrescentando que outros oitos passageiros desembarcaram em solidariedade.

Ele irá processar a empresa: “Me senti extremamente impotente. Infelizmente esse é o tipo de tratamento. As pessoas te olham por causa da sua cor. Registrei uma denúncia na Anac e vou acionar meus advogados quando chegar no Rio – diz ele, que ainda está no aeroporto de Salvador e perderá a gravação do Zorra que aconteceria às 11h no Projac.

Procurada, a Avianca, através de sua assessoria de imprensa, diz que o “intuito da empresa é cumprir a pontualidade com todos os passageiros e ter a segurança do voo em primeiro lugar. Quando existe um tumulto, o procedimento no setor é acionar a Polícia Federal”.

Claudia Leitte é acusada de racismo nas redes sociais

A cantora Claudia Leitte está sendo acusada de racismo nas redes sociais. Em foto postada na noite de terça-feira (29/03), Claudia faz homenagem ao aniversário de 467 anos de Salvador e se intitulou “negalora do Pelô”

“Africana da Alemanha, Negalora do Pelô, nasci em São Gonçalo e… com 5 dias de vida fui morar em Salvador. Hoje eu vivo pelos céus e estradas, mas essa terra continua sendo o lugar que chamo meu lar. Obrigada, Deus, por me plantar nessa cidade e me regar com tanta baianidade”, escreve ela na legenda. O trecho inicial da legenda é parte da letra da faixa Magalenha, do DVD Negalora (2012).

A postagem gerou revolta entre os seguidores. Nos comentários, a cantora foi criticada: “Você não é africana e nem nega. É só Alemanha e ‘lora’ mesmo”.

Outro seguidor alfinetou: “Nem africana, nem negra. Tá mais pra branca apropriadora. Reconhece tua cor e teus privilégios”. “É bonito ser negra desde que você não seja negra. Agora quando é pra lutar contra o genocídio do povo preto não vejo ninguém”, comentou uma internauta.