A paralisação total de metroviários prevista para esta segunda-feira (16) afetará mais de 215 mil usuários do metrô, segundo a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU).

De acordo com a companhia, caso a categoria paralise 100%, 275 viagens por dia não serão feitas. Por meio de nota, a CBTU informou em nota, que o “TRT determinou a notificação da BHTrans, da Setop e da Transcon informando sobre a escala deferida, afim de que seja viabilizada a adequação das linhas de ônibus e o aumento do número de veículos em circulação durante o horário em que não haverá trens. O Comando da PMMG também foi informado quanto à decisão liminar para que tome as providências que entender cabíveis”.

Os metroviários pedem aumento real de 10% e cobertura da inflação que é de 10,7%. De acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Empregados em Transportes Metroviários e Conexos de Minas Gerais (Sindimetro-MG), Romeu José Machado Neto, a companhia ofereceu reajuste salarial de 5,5%. O salário-base dos metroviários é de R$ 1.383,34.

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) determinou que o funcionamento de no mínimo 80% dos trens de Belo Horizonte durante a paralisação. De segunda a sexta, os trens devem rodar nos seguintes horários: entre 05h30 às 10h e 16h às 20h. Nos demais horários e no fim de semana, pelo menos 50% dos trens devem circular na capital. Mesmo com uma multa no valor de R$ 100 mil em caso de descumprimento, a categoria afirma que vai parar totalmente.