[huge_it_slider id="4"]

Antenados em relação à situação econômica pela qual passa o país, pequenos comerciantes apostam nas feirinhas de Natal para fisgar o consumidor e conseguir um “extra” no fim de ano.

Pesquisa da Fecomércio Minas mostra que 48% dos moradores da capital pretendem comprar presentes de menor valor neste Natal. Por outro lado, a intenção é dar lembrancinhas para um número maior de amigos e familiares. É justamente esse filão que os pequenos comerciantes desejam atrair.

Na manga, eles contam com presentes personalizados, ambientes mais leves, descontraídos e longe do tumulto dos shoppings, além de preços mais baixos.

Com a proximidade da chegada do bom velhinho, neste fim de semana começam a pipocar várias feiras pela cidade. E os expositores agarram essas oportunidades como forma de ganhar um dinheiro a mais.

A jornalista Carla Lopes produz cerâmica e trabalha com ilustrações como hobby. Mas de uns tempos pra cá tornou-se expositora para melhorar a renda. As peças produzidas por ela têm preço de até R$ 60.

“Em uma feira que dá movimento, vendo até R$350, o que é um rendimento bom, já que essa não é minha principal função. A temporada de Natal é a melhor época pra gente. As feiras ficam cheias e é quando mais vendemos”, afirma.

Carla conheceu as feiras como consumidora e se identificou tanto que, em pouco tempo, aquilo se tornou um negócio. “É muito bacana o ambiente, ideal para quem quer fugir da muvuca dos shoppings e encontrar presentes muito mais legais, individualizados, que você não acha nos grandes centros comerciais”, diz.

Fã desse tipo de evento, a dentista Bárbara Leopoldino já tem em mãos a lista de presenteados.  “Nesse tipo de feira encontro mercadorias que não acho em algumas lojas de shoppings. Tem também o valor, que me atrai muito principalmente nesse cenário de crise, pois são coisas de qualidade, com variedade e com o preço em conta”, diz.

Atualmente, a Prefeitura de Belo Horizonte registra 53 feiras livres, que funcionam em dias e horários variados. Mas há dezenas de outras que ocorrem em datas específicas, como o Natal.

Outro aspecto que contribui para o aquecimento do comércio e das feiras é o maior otimismo dos empreendedores e consumidores, após dois anos de recessão.

Dados da Confederação Nacional do Comércio (CNC) apontam que o mercado deve movimentar R$ 34,3 bilhões em vendas no Natal de 2017 no país, o que representa crescimento de 4,3% ante igual período do ano passado.

Expositores esperam faturar até R$ 1.500 por dia de evento em Santa Tereza

Até às vésperas do Natal, Belo Horizonte vai sediar várias feiras. Só neste sábado são quase 10 eventos, em vários pontos da capital. E algumas feirinhas estão marcadas para acontecer no decorrer da semana.

Com três dias de duração, a primeira edição da feira “Juntas Geramos Renda” acontece entre os dias 18 e 20 no Bar Quintal Santê, em Santa Tereza.  Criadora do grupo de mesmo nome na rede social e organizadora do evento, Fernanda Colcerniani conta que o intuito é gerar oportunidades e ganhos extras.

“Nosso grupo já tinha quase três mil membros e percebi que já havia um comércio ali. Assim, sugeri que fizéssemos a primeira feira e a aceitação foi enorme. Vi que o grupo já ajudava muito as pessoas e que a feira poderia ajudar ainda mais”, afirma.

Fernanda diz que é difícil estimar a geração de negócios. “O faturamento depende de cada produto, mas ninguém espera sair com menos de R$1.500 por dia”, calcula.

Na segunda edição, a feira de fim de ano da Benfeitoria, na rua Sapucaí, na Floresta, ganhou outro nome: Pop Feira. “É um local para desfrutar com os amigos, ver cada coisa com calma, entender o que de fato precisa e pensar com cuidado como irá presentear as pessoas especiais neste Natal. A ideia é promover o consumo consciente ao mesmo tempo em que estimula os produtores locais”, diz Jordana Menezes, diretora da Benfeitoria.

Até às 19h de hoje, os consumidores poderão escolher itens para o guarda-roupa de conhecidas marcas mineiras até artigos feitos por produtores locais. As compras são regadas com música, hambúrgueres, drinks e até uma apresentação de chorinho.

Já o Galpão Paraíso 44, no bairro Paraíso, região Leste de BH, será palco hoje para a Feira de Natal Nossa Grama Verde. Serão mais de 40 marcas locais de roupas, acessórios, objetos de design e decoração, arte, brinquedos e alimentação, todas elas criadas por gente que mora em Belo Horizonte e que produz na capital.

Ainda hoje acontece o Mercado Efemero Natalesco, na avenida Belém, no Pompeia. Serão oferecidos produtos locais que possam servir como presente para aquele amigo oculto de final de ano, Natal da família ou até para agradar a pessoa amada.

Hoje também é dia da Edição de Natal da Feira Horta no Potim na rua Mármore, em Santa Tereza. Produtores locais apresentarão ao público cervejas e pastas artesanais, molhos, panetones, queijos, artesanatos e cestas de vime e palha.

Serviço:

Entrada gratuita e espaço coberto

Dia: 18/12/2017
Horário: 15 às 22 horas

Dia: 19/12/2017
Horário: 15 às 22 horas

Dia: 20/12/2017
Horário: 15 às 22 horas

Local: Quintal Santê – Praça Duque de Caxias, 306, Santa Tereza – BH. 

Fonte: Jornal Hoje em Dia