Cultura

Festival (EM) Processo, a ser realizado, no Teatro de Bolso SESIMINAS

2 Min leitura

Entre os dias 22 e 30 de junho, evento estreia espetáculo SÍSIFOS da Companhia Candongas, homenageia a cantora Marina Machado e promove workshop com grupo Galpão

 

Promover experimentação e fomentar a produção cultural mineira são os desafios do Festival (EM) Processo, a ser realizado, no Teatro de Bolso SESIMINAS, entre os dias 22 e 30 de junho. Nesta segunda edição do evento, o Teatro oferecerá, ao público, programação especial, com a estreia do espetáculo SÍSIFOS, da Companhia Candongas, show em homenagem à trajetória da cantora Marina Machado e workshop com o Grupo Galpão. O workshop tem entrada gratuita; já os ingressos para o show e o espetáculo serão vendidos a preços populares, de R$ 5 (meia) a R$ 10 (inteira).

Segundo Karla Bittar, gerente do Centro Cultural SESIMINAS, “a proposta do Festival (EM) Processo é estimular o fazer artístico e promover o intercâmbio entre pessoas, grupos, coletivos e dramaturgos da cidade, além de divulgar os trabalhos produzidos por artistas locais. Queremos fomentar a manifestação das expressões culturais na cidade”, destaca.

Espetáculo SÍSIFOS, da Companhia Candongas – 22 a 25 de junho

A Companhia Candongas estreia no Festival (EM) Processo 2017, entre os dias 22 e 25 de junho, seu mais novo trabalho, SÍSIFOS. O espetáculo tem dramaturgia elaborada por Guilherme Théo e Gustavo Bartolozzi, a partir de pesquisa realizada sobre o Teatro do Absurdo. A direção é assinada por Cláudia Henrique, também integrante do grupo, e o elenco é formado por Antônio Rodrigues e Gustavo Bartolozzi.

Em cena, dois personagens refletem sobre sua relação com o poder e a felicidade, enquanto trabalham carregando suas pedras diárias. A questão principal da montagem é trazer ao público a possibilidade de refletir sobre sua condição humana e social, sua presença no seu meio, seu papel de cidadão e sua busca pela felicidade. O ponto de partida da dramaturgia é o paralelo entre a relação “vida x trabalho”, que estabelecemos no mundo contemporâneo, e o imaginário em torno de Sísifo, personagem da mitologia grega que, por enganar os deuses, é castigado com o trabalho eterno e repetitivo de carregar um rochedo até o cume de uma montanha.

 Com este novo espetáculo, o grupo amplia seu campo de estudos e conclui uma pesquisa de cinco anos sobre o universo do Teatro do Absurdo, na qual mergulhou no estilo dramatúrgico de seus autores mais expoentes, como Samuel Beckett, Eugene Ionesco, entre outros. No processo de desenvolvimento dramatúrgico, a montagem encontra ponto de interseção nas obras “O Mito de Sísifo”, do filósofo francês Albert Camus, e no “Mito da Caverna”, de Platão, além do livro “1984”, de George Orwell.

 

2990 posts

About author
Felipe de Jesus | Jornalista (FESBH), Publicitário (IPSP), Teólogo (F.ESABI), Sociólogo e Letras (F.Polis das Artes), Economista (UNIP) & Advogado (FACSAL). Tem Mestrado em Comunicação Social: Jornalismo e Ciências da Informação (UEMC). [ Siga o Instagram: @felipe_jesusjornalista ]
Articles
Relacionados
CulturaGeral

Conheça o Akatu, grupo de pagode que conquistou o Neymar e está ganhando o Brasil

3 Min leitura
Frame do vídeo compartilhado por Neymar Jr. em seu story no Instagram. O titular da Seleção Brasileira e do PSG divulgou em…
CulturaGeral

‘AS NOITES MAL DORMIDAS DE CAIO JOCHEM’ é a nova obra do escritor mineiro Raphael Juliano

2 Min leitura
A arte de observar as falhas no presidencialismo de coalizão que se tornou um livro. São 117 páginas que trazem impressos um…
Cultura

CCBB Educativo realiza retrospectiva de importantes exposições em comemoração ao aniversário do CCBB BH

1 Min leitura
Encontro ocorre no dia 27/8 em transmissão virtual para o público O CCBB BH comemora oito anos de atividade na capital mineira. Para celebrar…
Power your team with InHype
[mc4wp_form id="17"]

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.