Economia

Tributação impede avanço de mercado de vinho no Brasil

3 Min leitura
Chile e Argentina são isentos na exportação da bebida
Darci-Dani-i-1024x770O diretor executivo da Agavi, Darci Dani: “Dominamos 80% do mercado
mundial quando o assunto são os vinhos mais baratos” (Foto: Assessoria / Agavi)
*Felipe José de Jesus (JCE)

 

Ele ainda não pode ser considerado uma paixão nacional, mas o vinho vem sendo admirado e consumido cada vez mais pelos brasileiros. Porém, a bebida que tem ganhado adeptos e se tornando famosa pelos benefícios que traz para a saúde, enfrenta o problema da tributação. No Brasil, enquanto o Imposto Sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços (ICMS) da cerveja é 18%, o do vinho chega a 25%, índice avaliado como alto, de acordo com a Associação Gaúcha de Vinicultores (Agavi).

Segundo dados da entidade, a bebida produzida no país perde por dois motivos: o preço final da garrafa e a carga tributária. Claro que isso se comparado ao Chile, Argentina e Europa que são os grandes exportadores. O Brasil paga 54%, enquanto que a Europa 27%, já o Chile, Argentina e outros países do Mercado Comum do Sul (Mercosul) tem alíquota zero, pois eles tem vantagens comerciais que as isentam.

O diretor executivo da Agav   i, Darci Dani, explica que a desgravação tarifária para esses países faz com a competitividade com o Brasil seja desleal. “A primeira grande diferença é que Argentina e o Chile fizeram um acordo, criado pelo Mercosul, no qual  eles se isentam do imposto de exportação e até hoje é assim. Esses países pagavam antigamente 27%, passaram a desembolsar 5% em 2011 e hoje não pagam nada. Fora isso, temos o problema do imposto em cascata, que é algo que não se pode recuperar. Todo o tributo que o produtor nacional tem com a uva fica na própria fruta. Já quando ele vai elaborar o vinho é preciso pagar outro tributo, que é o imposto embutido na produção. Ou seja, é imposto sobre imposto, por isso na exportação pagamos quase 60%”, comenta.

Segundo Dani, a maioria dos vinhos que estão chegando do exterior vem por um preço irrisório. Fora isso, ele revela que o Brasil está virando um depósito de vinhos estrangeiros. “O preço do vinho é de US$ 1 e mesmo aplicando as taxas, ele não chega a US$ 2, ou seja, sai quase de graça”.

O diretor da Agavi relata que outro problema é fato do país não conseguir produzir a uva nas mesmas condições que os estrangeiros. “Eles têm história e tradição, algo que não temos. Como se não bastasse, quando os empresários do ramo estão com o estoque alto, eles barateiam o vinho para enviar para o Brasil. O engraçado é que na cidade natal eles vendem a bebida por um valor alto e assim fica difícil competir”.

 

Sem valor

Questionado sobre a preferência do brasileiro pelos vinhos estrangeiros, Dani lembra que poucas pessoas se interessam em conhecer a fundo a bebida produzida no país. “É uma questão de cultura. Diferente do exterior não temos 100 anos de produção em vinhos, e se falarmos de experiência profissional, não chegamos há 50 anos. Investimos nas mudas com certificação e isso nos proporcionou produzirmos uma uva com mais propriedade. O bom empresário vinicultor quer fazer a bebida com qualidade, por isso, ele coloca o preço às vezes maior do que o vinho do exterior. Dominamos 80% do mercado mundial quando o assunto são os vinhos mais baratos”, ressalta.

Para o amante de vinhos Rodrigo Lamas, a bebida brasileira ainda precisa de uma maturação para chegar ao patamar do estrangeiro. Para ele, não é uma questão de preço e nem vaidade. “O vinho brasileiro precisa de melhoria. Eu não tomo vinho a revelia, mas, sim, nos fins de semana ou em ocasiões especiais. Não troco o chileno Almaviva, ou um Montes Folly Syrah ou um Concha Y Toro Don Melchor, por um Dom Bosco, pois mesmo gostando dele, eu olho muito a suavidade, mesmo porque vinho é para se apreciar. O Brasil tem algumas marcas de vinhos fortes e boas como, por exemplo, o Domno do Brasil. Mas para o país despontar é necessário um apoio maior do governo em relação ao crescimento deste mercado”, sugere.

 

Governo pode ajudar

O diretor da Agavi revela que existe uma discrepância sobre os tributos de bebidas com álcool no Brasil. Ele lembra que a cachaça e a cerveja pagam bem menos ICMS. “Algo estranho, já que o vinho consumido moderadamente pode trazer diversos benefícios para a saúde”.

Para ele, o governo estadual pode fazer algo para melhorar a situação. “A saída seria criar um ICMS em três categorias: o baixo de 12%, o médio de 15% e o alto 27%. Já no caso do vinho, o governo ganharia mais se colocasse o ICMS em 18% (patamar médio), pois isso aumentaria a arrecadação. Não dá para continuarmos pagando 25% de imposto”, conclui.

Relacionados
EconomiaGeral

Empreendedoras compartilham experiências em evento on-line e gratuito exclusivo para mulheres

2 Min leitura
O WOMEN Global & Powerfull será realizado nesta quinta-feira, 17 de junho, às 19h30, com Glauce Santos, que está à frente da…
Economia

Onde achar verdadeiros descontos em eletrônicos da Black Friday

3 Min leitura
Novembro é o mês mais esperado do ano por milhares de consumidores brasileiros: é nessa época que acontece a Black Friday, com…
Economia

Como encontrar CNPJ de empresas para oferecer seus serviços

3 Min leitura
Como encontrar CNPJ de empresas para oferecer seus serviços se mostra ainda mais necessário quando estamos começando nossos negócios. Porém, ir até…
Power your team with InHype

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.