[huge_it_slider id="4"]
imageO setor onde estava a divisão entre as torcidas teve
muita confusão, até mesmo com bombas
 
*Gláucio Castro (HOJE EM DIA)

 

Saiu barato. Atlético e Cruzeiro perderam apenas um mando de campo e terão que pagar multa de R$ 50 mil cada pelas confusões envolvendo torcedores das duas equipes no clássico do dia 21 de setembro, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os dois rivais corriam o risco de perder até 20 mandos, além de serem obrigados a pagar R$ 200 mil de multa cada um. O Galo cumprirá dia 12, contra o São Paulo, e o Cruzeiro, dia 22, contra o Palmeiras.

O julgamento, que começou às 13h44, durou duas horas e meia. Além dos advogados de defesa dos clubes, o presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, e do Atlético, Alexandre Kalil estavam presentes. Os trabalhos começaram com exibição de alguns vídeos sobre as confusões durante e antes da partida envolvendo atleticanos e cruzeirenses. Por causa de um problema no som do equipamentos, os lances tiveram que serem exibidos em um pequeno computador.

Após as defesas, o relator Gustavo Teixeira pediu a perda de um mando de campo para cada clube e multa de R$ 50 mil. Para justificar a pena branda, o relator foi bem claro. “Acho que as medidas de banimento das torcidas são mais eficazes do que essa”, garantiu. Luis Felipe Procópio discordou e sugeriu multa de R$ 100 mil, sem perda de mando de campo. O último a votar, Fabrício Dazzi acompanhou o relator, com multa de R$ 100 mil e perda de um mando com portões fechados.

Naquela tarde, o árbitro carioca Marcelo de Lima Henrique chegou a interromper a partida aos 41 minutos do primeiro tempo, quando várias bombas foram soltas na área que dividia as duas torcidas. Até o técnico do Atlético, Levir Culpi, e o zagueiro do time, Leonardo Silva, foram em direção aos torcedores pedindo para acabar com o tumulto, que voltaram a acontecer no intervalo.