[huge_it_slider id="4"]

Atlético Mineiro resiste pressão celeste e aproxima do G4

cruzeiro-2-x-3-atletico-mg-21-09-2014-campeonato-brasileiro2

O cruzeiro tentou, mas perdeu a invencibilidade em ‘Casa’
(Foto: Azul Estrelado)
*Karine Alonso (JCE)

 

Dessa vez o fator ‘Casa’ não fez efeito para o Cruzeiro. O Clássico mineiro tinha como mandante de campo a Raposaque obtinha o rótulo de favorito para, mas não foi assim que aconteceu, perdeu para o seu maior rival por 3 a 2, permanece líder, porém perde invencibilidade no Mineirão e carrega o desgosto de não ganhar do rival este ano de 2014.

O time celeste manteve seu bom futebol pressionando o time adversário, com duas bolas na trave e vários chutes a gol, mostrou perigo em várias finalizações. Tinha o domínio na partida nas mãos com a maior posse de bola, mas do lado alvinegro o técnico Levi Culpi surpreendeu ao escalar um volante apenas, que foi o jogador Leandro Donizete e deixando Dátolo, Luan e Guilherme ajudando na criação. O substituto de Ronaldinho Gaúcho, revelado pela Raposa não fez boa atuação e deixou a desejar mais uma vez. Guilherme não ajudou no meio de campo, dificultando assim a saída de bola alvinegra que na maioria das vezes era desorganizada e de fácil desarme.

Aos 38 minutos do primeiro tempo, Emerson Conceição cruzou da esquerda, Luan bateu de cabeça e Carlos mandou para as redes de Fábio abrindo o placar. Em contra ataque aos 40 minutos, Dátolo teve ótima participação que deu bom passe para Tardelli desviar e mandar contra o gol celeste, ampliando a vantagem: 2 a 0. Estando atrás no placar, Cruzeiro pressionou e aos 46 minutos diminuiu com Ricardo Goulart e garantiu reação para etapa final. O time celeste voltou para o segundo tempo com sede de vitória, era um olho no jogo e outro acompanhando o desempenho do vice-líder São Paulo, em clássico histórico com o Corinthians. Aos 06 minutos veio o empate depois de cruzamento da esquerda, Marcelo Moreno ajeitou de cabeça e Alisson concluiu sua boa fase devolvendo o alívio no Mineirão, empatando em 2 a 2. Como clássico tudo pode acontecer, as fortes emoções ficaram para o final quando aos 46 minutos da etapa complementar, Leandro Donizete cruzou da direita, Carlos mandou de cabeça para as redes decretando a vitória alvinegra em casa celeste: 3 a 2.

JCE esportes 22-09

Tardelli  ampliou  a vantagem do Galo: 2 a 0
(Foto: Superesportes)

Pontos >>

Após derrota em casa o Cruzeiro permanece com sete pontos de diferença do segundo lugar e aposta em reencontro com a vitória no próximo jogo contra o Coritiba, no estádio Couto Pereira, às 19h30, na próxima quarta-feira. Já o Atlético recebe o Santos, no Independência, às 20h30, esperando chegar cada vez mais perto do G4.

Cruzeiro manteve o seu estilo de jogo ofensivo todo o jogo, tentando não desfazer de um esquema já pré estabelecido que vem dando certo há muito tempo entre os jogadores e técnico. Mas, todo clássico tem um tempero especial e o Galo usou novamente seus maiores ingredientes guardado na manga: raça e sorte. Carlos, autor de 2 gols estava iluminado na tarde deste domingo e fez valer a escolha do professor Levi Culpi. Nada de estrelismo, o Atlético entrou em campo com pé no chão sabendo de suas qualidades e limitações e fez prevalecer a regra de que em clássico não há favoritismo.