image (1)

 

*Alberto Ribeiro (Hoje em Dia)

 

Renovação de contrato é um assunto constantemente questionado ao goleiro Fábio nos últimos dias no Cruzeiro. Nesta quinta-feira (24), em uma longa entrevista na Toca da Raposa II, o camisa 1 voltou a falar sobre o seu futuro no clube. Otimista, pela primeira vez desde que iniciou as conversas com a diretoria celeste, o capitão revelou que a negociação está prestes a ser finalizada. E com um final feliz.

“Já estamos conversando, o Bruno (Vicintin, vice-presidente de futebol do Cruzeiro)) está dando atenção, desde a sua chegada. Fico feliz pelo reconhecimento. A gente está conversando há alguns dias, desde quando ele assumiu este assunto. Graças a Deus as coisas estão bem encaminhadas”, revelou Fábio.

Fábio tem contrato com o Cruzeiro até 3 de abril de 2016. A negociação para a renovação do arqueiro, jogador que mais vestiu a camisa do Cruzeiro na historia (656 jogos), se estende desde a chegada de Isaías Tinoco, antigo diretor de futebol. Após a demissão do dirigente, que deixou Belo Horizonte junto com Vanderlei Luxemburgo, o vice-presidente de futebol do Cruzeiro é quem conduz as conversações com João Sérgio, empresário do camisa 1.

“Se for por dinheiro, eu já teria saído faz tempo. Sempre que eu tenho de renovar deixo claro e transparente. Está acontecendo isso agora, porque nunca ficou tão próximo em renovar. Mas nenhuma das vezes que eu renovei foi por dinheiro. Sempre tive proposta mais vantajosa financeiramente. Mas o que eu prezo é a felicidade e bem estar da minha família. Desta vez no Cruzeiro gerou polêmica. Não renovamos ainda, falaram muita coisa. Coisa de valor não pode ser colocada na mídia. Mas tenho certeza que o Bruno que está chegando agora vai resolver”, completou Fábio.

A permanência de Fábio na Toca da Raposa tem causado manifestações diversas pela China Azul. Na última terça-feira (22), o muro de um local próximo à Toca da Raposa foi pichado com os dizeres “Fora Fábio”. Segundo o goleiro, situações como essa são casos à parte.

“Nem tinha reparado. Vim de carona e ai reparei. Perdoo o cara, ele não tem conhecimento, falta de sabedoria. Tenho que amar ele, para que seja feliz. Isso não é da nossa torcida. Sempre onde eu vou, estes que fazem diferença no Cruzeiro, me recebem com carinho. Falamos tanto em identificação com o clube. Quando tem identificação, algumas pessoas, eu cito alguns casos, não reconhecem o que você fez aqui no clube. Mas eu tenho reconhecimento onde eu vou, isso que me faz querer seguir no Cruzeiro”, comentou o goleiro.

Confira os principais trechos da entrevista

Incerteza sobre futuro

Não tenho rede social. As pessoas vão colocando as coisas, a minha oportunidade de explicar é aqui, tento ser o mais transparente possível, nunca me preocupei em saber o quanto os outros ganham, aqui no Cruzeiro ou fora. Tento fazer o meu trabalho. O que colocaram de valor é fora da realidade do futebol. Acho que mereço reconhecimento, mas sei da realidade financeira do Cruzeiro, sei o quanto paga aos jogadores, sei da realidade. Eu nunca vou querer prejudicar o Cruzeiro, se quisesse isso eu já teria saído. Tive oportunidades, mas fiquei, pela situação que o time passava, pelo carinho com a torcida e fiquei. Eu penso no Cruzeiro, grande parte da minha vida profissional passei aqui. Fica até difícil eu jogar em outro time, como falaram que eu ia para time de São Paulo, para outro lugar. Eu quero continuar no Cruzeiro, e para quem não gosta do meu trabalho, peço desculpas.

Pedido de “Fora, Fábio”

Não me chateou. Passei, olhei e pensei, será que faz tempo que estava pichado. Eu venho sempre dirigindo. Não tinha ideia de que tinha sido esta semana. Aonde eu vou, aeroporto, quando saio, as poucas vezes, recebo o carinho do torcedor. Isso que me fortalece. Não posso achar que vou ser sempre unanimidade. Eu sei que são poucas as pessoas que não reconhecem meu trabalho ao longo dos 11 anos. Esta minoria nunca vou agradar, por mais que ajude o Cruzeiro. Às vezes o cara joga um ano no Cruzeiro, sai, volta e a torcida grita o nome dele. Acho legal isso, mas não posso tirar parâmetro com isso. Se eu permaneci aqui, foi porque mereci, porque Deus me guiou. Minha dedicação nunca vai mudar, independentemente das dificuldades. Nunca vou omitir a minha responsabilidade. Se tiver que assumir derrota vou assumir, como fiz várias vezes. Não assumo para chamar atenção e sim para tirar o peso do time.

Críticas

Goleiro é uma posição difícil de analisar. É uma coisa rápida, as jogadas são rápidas, tudo gera uma consequência. Gramado molhado, vento, jogador passa na frente. Um milésimo de segundo que você perde, complica. Ai se fala que a bola é defensável, principalmente no meu caso. Não sei se isso é coisa boa. Analiso sempre outros goleiros e comentários e no meu caso a bola é mais defensável. Não sou goleiro presepeiro, não vou pular por pular. Gostaria que analisassem isso. Falam muito que eu tomo gol de falta, tomo dois gols, três no ano e a culpa é minha. O cara que bate não tem mérito. Tomo gol no meu canto, a culpa é minha. Tomo no outro, a culpa é minha.

Renovação

Sou bem direto, gostei muito do Bruno, chegou há pouco tempo, me tratou com respeito, olho no olho. Foi desta forma, nos quase 11 anos que estou aqui, de forma direta. Gostei muito do Bruno, da forma como ele agiu, como conversou comigo. Isso adiantou bem a negociação. Como disse, não vai ser o dinheiro que vai me fazer permanecer ou ir embora do Cruzeiro.