ROCK UNIVERSITÁRIO??

7891430368425

 

Banda Malta, ganhadora do reality show “Superstar”
(Foto: Divulgação)

 

*Da redação

 

Numa época em que o top 20 nacional é quase inteiramente dominado pelo sertanejo universitário, o rock parece estar fadado definitivamente à nostalgia ou aos nichos alternativos.

Será que o rock pode ter novamente lugar de destaque nas paradas nacionais? Vencedora do programa “Superstar” e dona do tema do casal principal na novela “Alto Astral”, a banda paulistana Malta vem ocupando este espaço.

A questão é: será que a fórmula da banda é assim tão diferente do sertanejo universitário execrado pelos roqueiros? Levando em conta os refrães e letras do álbum de estreia do Malta, “Supernova”, é algo a se pensar.

Se por um lado, as guitarras pesadas e a produção lembram exemplos internacionais do lado mais vendável do rock do século 21, ecoando as baladas doKings of Leon e Coldplay, e o pós-grunge de nomes como Creed e The Calling, há sobre tudo isso o mesmo verniz de romantismo meloso presente nos sucessos recentes de Victor & Leo, Lucas Lucco e Marcos & Belutti.

Sempre que foi realmente relevante no mercado, o rock nacional veio respaldado por uma movimentação ligada a alguma linguagem nova para os ouvidos do grande público. Na década de 60, a jovem guarda, ingênua que fosse, foi a versão local de uma revolução pop mundial.

Nos 80, o BRock foi a trilha sonora da transição democrática. Bandas como Legião Urbana e Titãs, vendiam milhões com letras politizadas e uma sonoridade ousada, que traduzia o pós-punk para o contexto nacional.

Nos anos 90, nomes como Raimundos, Skank e Chico Science reintroduziram ingredientes brasileiros na mistura. E mesmo nos anos 2000, bandas provenientes do emo e pop punk como NXZero e CPM 22, traziam ao mainstream uma movimentação que havia surgido de maneira orgânica, anos antes, nos subterrâneos das grandes cidades.

Já o Malta tem os pré-requisitos para estar no rádio e na televisão. Mas não será desta vez que o rock voltará a ser  produto de massas no Brasil. Se a banda, surgida no ano passado, for indício de algo que está por vir, o máximo que podemos esperar é uma onda de “rock universitário”, um produto instantâneo criado em escritórios de gravadora misturando aspectos superficiais do equivalente importado à fórmula romântica do sertanejo que domina as FMs.

E você leitor, acredita que o rock voltará a ocupar um espaço de destaque nas paradas nacionais????