Os ganhos obtidos através do procedimento vão da melhora da
interação social até a diminuição dos sintomas psiquiátricos

A música é reconhecida por muitos pesquisadores como uma modalidade que desenvolve a mente humana e promove o equilíbrio proporcionando um estado agradável de bem-estar, facilitando a concentração e o desenvolvimento do raciocínio e questões voltadas para o pensamento. No entanto, os acordes e tons são capazes de contribuir também no tratamento de diversos transtornos e, até mesmo, de levar alegria para as pessoas que estejam enfrentando uma situação conturbada. Para tudo isso, a Musicoterapia tem sido um recurso interessante, tanto que no Censa Betim (Rodovia Fernão Dias, Km 494 – S/N | Betim – MG), entidade com 54 anos de atuação, esse procedimento é aplicado frequentemente por profissionais capacitados, trazendo melhora na interação social e diminuição dos sintomas psiquiátricos.

De acordo com a Bárbara Carvalho, terapeuta e musicoterapeuta da instituição, a música é uma ferramenta de tratamento e cura presente na vida do homem desde tempos remotos. “Os primeiros registros científicos se tratando de música como intervenção terapêutica, evidenciam seu uso na diminuição da dor e no tempo de recuperação em casos de pacientes hospitalizados. Ao longo dos anos, tais práticas foram se estabelecendo de forma sistemática até surgir de fato o termo Musicoterapia. No ano de 2017 a musicoterapia incorporou-se à política nacional de Práticas Integrativas Complementares (PICs), tornando-se uma atividade disponível aos usuários do Sistema único de Saúde (SUS)”, diz.

Segundo Bárbara Carvalho, o simples fato de pensar em música já traz reações positivas para o ser humano. “Pesquisas científicas realizadas com registros de eletroencefalograma (EEG) em indivíduos normais e também com patologias mentais, é possível observar que diferentes regiões do nosso cérebro se ativam não somente quando fazemos música, mas também quando ouvimos música. O simples fato de pensarmos em música é capaz de alterar e provocar reações em todo nosso sistema nervoso central. Sendo assim, as experiências em Musicoterapia, sejam elas através da escuta ou do fazer musical, podem se tornar importante instrumento na melhoria da qualidade de vida”, explica.

Já no caso de pessoas com deficiência intelectual, autismo e paralisia cerebral, o que se percebe é que a música consegue estimular áreas de suma importância, pontua Bárbara Carvalho. “Nesses casos, a música tem conseguido estimular principalmente aspectos psicomotores, cognitivos, emocionais, de interação e socialização. Percebe-se em casos severos de autismo, como a comunicabilidade dos indivíduos, por exemplo, se amplia em função das vivências musicais do canto e da interação através dos instrumentos musicais na relação com o terapeuta”, salienta.

Bárbara Carvalho diz também que os frutos colhidos através da Musicoterapia no Censa Betim são relevantes e expressivos. “Os ganhos obtidos na aquisição de interesse musical estão na melhora da interação social e na diminuição dos sintomas psiquiátricos que vão além das expectativas da família e da equipe de profissionais envolvidos. No acompanhamento dos educandos, estamos realizando registros, estudos e elaborando artigos que comprovam esses benefícios no cotidiano delas. Nesse sentido, a escolha da musicoterapia como prática complementar na promoção da saúde e bem-estar é pauta cada vez mais crescente e importante dentre os profissionais das áreas da saúde e de educação”, diz.

Por esse motivo, a musicoterapeuta Bárbara Carvalho reforça que o intuito de incluir a Musicoterapia no conjunto de intervenção com indivíduos com deficiência intelectual, é o de trazer resultados conforme as necessidades de cada educando. “Visa acelerar a obtenção dos resultados, utilizando de uma prática que vai além do entendimento cognitivo do indivíduo, alcançando esferas das memórias afetivas e das emoções que só a música proporciona. Assim, podemos cuidar do indivíduo integralmente e, proporcionar práticas que dialoguem com mais efetividade com as necessidades de cada educando”, conclui.

Sobre o Censa Betim

Além da musicoterapia, o lugar oferece também durante todo o ano oficinas de teatro, música, artesanato e esportes adaptados em uma proposta diferenciada de escolaridade com o objetivo de desenvolver ao máximo as potencialidades dos educandos. Com atendimento particular, o CENSA cumpre a missão de apoiar e garantir a qualidade de vida das pessoas com deficiência intelectual, tudo isso em um ambiente familiar e integrado à natureza. Por isso, o Centro conta com uma equipe multidisciplinar regada de profissionais como psiquiatra, clínico geral, psicóloga, enfermeira, nutricionista, farmacêutica, musicoterapeuta, fisioterapeuta, pedagoga e fonoaudióloga.

Serviço:

Musicoterapia no Censa Betim

Centro Especializado Nossa Senhora D’Assumpção

Endereço: Rodovia Fernão Dias, Km 494 – S/N | Betim – MG