A música Terra da Paz da Banda Jammil e Uma Noites, gravada com a participação especial de César Menotti e Fabiano tem o seguinte refrão: “Bahia e Minas são tão bonitas, tão especiais // com seus sotaques, canções e comidas, oxentes uais”. E é exatamente o que diz a letra desta música que pode ser encontrado no Restaurante Abaianera em Belo Horizonte, uma mistura de Minas com Bahia no boêmio e charmoso bairro Santa Tereza.

A história do Abaianera começa quando o Chef Don Klebinho volta para BH com a ideia de montar um novo projeto de restaurante e ele se encontra, por acaso, com o amigo baiano Robson Nonato que havia acabado de comprar o Abainanera. Precisando de um parceiro na área de gastronomia para tocar o projeto, Robson aproveitou a oportunidade e convidou Don Klebinho para se tornar seu sócio no negócio.

Versátil, criativo e com experiência internacional e nacional comprovada em restaurantes da Europa (Portugal e Espanha), México, África (Angola e Moçambique), navios da MSC Cruzeiros (Caribe e Mediterrâneo), São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Angra dos Reis, Ilha Grande, Salvador, Porto Seguro e Ilhéus, Don Klebinho arregaçou as mangas e assumiu a cozinha do Abaianera.

Como morou cinco anos no estado da Bahia, Don Klebinho conheceu com profundidade o poder do sabor baiano e a força do azeite de dendê, adaptando o tempero das receitas ao paladar mineiro. Don Klebinho criou pratos clássicos para compor a base do cardápio como moqueca de peixe, moqueca de camarão, bobó de camarão, vatapá, casquinha de siri e escondidinhos.

Para incrementar o cardápio, o renomado chef criou receitas contemporâneas como a Paella Abaianera, onde o famoso prato espanhol, que é a sua maior especialidade, ganhou incremento com temperos e ingredientes tradicionais da gastronomia baiana. Ele também agregou delicias da comida mineira no cardápio, com destaque para a galinhada. Entretanto, a maior inovação do Abaianera está por conta do acarajé, que é servido numa grande mandala acompanhada por vatapá, camarões defumados, vinagrete, farofa e pimenta. A casa vende, em média, 2.000 acarajés por final de semana e mais de 10.000 unidades por mês.

Don Klebinho deixa uma reflexão para os empreendedores baseada numa frase que o seu pai sempre falava: “mais vale um osso que um caminhão de abóbora” e complementa “corra atrás dos seus sonhos e faça acontecer”. #ficaadicadodonklebinho

*Palestrante, consultor empresarial e professor universitário.

Fonte: Jornal Hoje em Dia.. 13/03/2016