Por Leonardo Silva Horta

Minas Gerais receberá mais R$ 150 milhões em investimentos privados. Os aportes constam em Protocolos de Intenções formalizados junto ao governo de Minas Gerais, por meio do Instituto de Desenvolvimento Integrado (INDI), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (SEDE). A previsão é que sejam criados mais de 1,5 mil empregos diretos e indiretos em diversos segmentos econômicos, como indústria química, fabricação de produtos farmacêuticos, setor alimentício e de embalagens.

O documento formalizado com maior aporte de recursos foi assinado com a OMPI do Brasil, pertencente ao conglomerado italiano Stevanato Group. A empresa planeja implantar unidade industrial, em Sete Lagoas, para fabricação de embalagens para a indústria farmacêutica. O investimento previsto é cerca de R$ 100 milhões e devem ser criados 250 empregos diretos.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Altamir Rôso, acredita que os Protocolos de Intenções formalizados recentemente são frutos das intensas negociações governamentais junto à iniciativa privada para atração de empresas e geração de emprego e renda em Minas Gerais. “Os novos empreendimentos e a ampliação de negócios já existentes em território mineiro confirmam o dinamismo da economia regional e a atratividade do nosso estado”, afirma.

O governo de Minas Gerais executa diversas ações em prol do desenvolvimento econômico e melhoria nos níveis de emprego. A SEDE e o INDI prospectam negócios e participam ativamente de encontros com empresários brasileiros e estrangeiros. Nos últimos meses, delegações dos Estados Unidos, China e Portugal se reuniram com os órgãos na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, para avaliarem possibilidades de empresas sediadas naqueles países promoverem investimentos em Minas Gerais. Rôso destaca que esses encontros são de grande importância para a chegada de novos negócios ao estado. “Eles trazem diversos benefícios para a nossa economia, gerando oportunidades de emprego e renda, melhorando a vida de milhares de mineiros”, explica.

Além dos recentes anúncios, o INDI também está em negociação com companhias privadas de diversos segmentos para realizarem investimentos em Minas Gerais. Apesar da crise econômica, a expectativa é da formalização de novos aportes, em diferentes regiões do estado. O órgão não divulga os nomes das companhias para preservar a confidencialidade dos investimentos.