O GPS do carro, uma videochamada pelo Whatsapp, jogar online: Muitas vezes esquecemos que todos estes serviços dependem da operatividade de uma empresa de telecomunicações. E em um cenário com cada vez mais dispositivos por pessoa, não somente as empresas de tecnologia evoluíram, mas também os provedores do serviço.

Entender as tendências deste mercado é fundamental para prever os próximos passos do segmento de telecomunicações no país e a Selectra, empresa líder mundial em consultoria do cliente de telecomunicações e energia, e no Brasil conhecida como Podecomparar, analisa o mercado e traz as principais tendências.

Mercado de telecomunicações no Brasil:

mercado de telecom é popularmente conhecido pelo grande público, com grandes empresas desenvolvendo e evoluindo o mercado. Hoje, já existem muitas companhias que estão especializadas em telecom e, por isso, oferecem serviços individuais ou combinados de:

  • Telefonia (fixa e móvel)
  • Internet
  • TV por assinatura

Porém, em uma rápida análise sobre os três grandes mercados do setor podemos ver que somente a banda larga vem ganhando novos clientes. Segundo a Anatel, no último ano foi registrado um total de 30,54 milhões de contratos ativos de banda larga, levando o Brasil a 6ª posição no ranking mundial de assinantes de banda larga fixa.

No gráfico abaixo, ilustramos o número de contratos por operadora:

Número de contratos ativos de Banda Larga

O Brasil é a 5ª maior rede de telecom do mundo, segundo dados da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), e gera mais de 500 mil empregos na área.

Dentro deste cenário otimista das telecomunicações, vale mencionar a nova tendência em crescimento: as operadoras regionais de telecom. Com um aumento de 290 mil assinaturas somente de internet banda larga em 2019, este grupo de prestadores locais comprova a premissa de que sim, os consumidores estão mudando e o velho mercado tem sim novos poderosos concorrentes.

Provedores regionais de telecomunicações:

A tendência na busca por novos provedores de telecomunicações locais não é fruto somente da crise ou pela busca por melhores preços, mas sim na mudança de hábitos dos consumidores.

O cliente já não busca pacotes fechados, onde você é obrigado a contratar uma telefonia fixa que não faz sentido na sua vida, ou canais para sua TV por assinatura que não tem interesse em assistir, por exemplo. Serviços rápidos, digitais, on demand e de qualidade é o que busca o novo consumidor.

Com quase 1/4 da parcela de contratos de banda larga fixa, as operadoras regionais já são uma realidade no cenário de telecomunicações do Brasil e se destacam na média de satisfação geral.

Um dos destaques deste mercado local é a Unifique. Presente no estado de Santa Catarina, a operadora tem notas altas na categoria de Canais de Atendimento (8,46), segundo a pesquisa de satisfação do clientes de 2018, realizada pela Anatel.

Pesquisa de Satisfação ANATEL - Canal de Atendimento
Pesquisa de Satisfação ANATEL – Canal de Atendimento

Unifique faz um ótimo trabalho ao investir na infraestrutura de fibra óptica e levar essa conexão de alto desempenho aos seus clientes.

Compartilhamento de infraestrutura:

Para que essa expansão de mercado ocorra, foi necessário que o compartilhamento de infraestrutura acontecesse. Então em 2017 a Anatel por meio da resolução 683 aprovou o compartilhamento de infraestrutura à prestadoras de serviço de telecomunicações.

Ao compartilhar redes e infraestrutura, as operadoras de telecom orientam-se não somente à ampliação de cobertura, mas também à eficiência no uso dos recursos, possibilitando o investimento em serviços digitais e conteúdos exclusivos para seus clientes.

O mercado de telefonia e as MVNO:

Já imaginou não poder usar nunca mais o teu smartphone? Pois é, esta é uma realidade à qual praticamente ninguém está disposto suportar. E por que todo este poder? Basicamente, o celular é o aparelho que sempre nos uma resposta para o que queremos; faz conectarmos com mais pessoas de forma rápida, simples, e que anda 24 horas com a gente. Já não é mais uma questão de pode fazer chamadas ou enviar SMS. A telecomunicação para celulares está voltada para os dados móveis.

Hoje no Brasil, o número de usuários de pacotes de dados já passou de 227 milhões. Antes, a grande parcela desse valor era de clientes pré pago, quando o usuário se contentava com um plano enxuto de dados móveis. Hoje já não é mais assim. Segundo a Anatel, 44% dos clientes já buscam planos pós pagos, que além de oferecerem melhores ofertas de dados móveis, ofertam o consumo de uma multitude de apps sem o desconto da franquia.

Para potencializar este mercado, em 2010 a Anatel normatizou as chamadas MVNO ou Operadoras Virtuais de Rede Móvel, que atuam como representantes das operadoras. Neste caso, a MVNO não possui rede nem frequência próprias, fazem parcerias para usar da rede de outras operadoras.

Estas MVNO como não precisam dedicar-se em investir na ampliação de infraestrutura, focalizam suas estratégias em serviços mal desenvolvidos no mercado, visando novas oportunidades.

O avanço das telecomunicações:

Novos modelos de negócio estão ajudando a reconfigurar o mercado das telecomunicações no Brasil e no mundo. O que podemos concluir é que empresas pequenas se comparadas às grandes operadoras crescem cada vez mais rápido, ocupando brechas onde as grandes não tem interesse em chegar e com a qualidade que não podem garantir devido o tamanho de suas transações.