Economia

Poupança é opção mais vantajosa para pequenos investidores

3 Min leitura
0odlxk2kdqgv8209wayo196y0
Cerca de 90% das cadernetas do país têm menos de R$ 2 mil aplicados
(Foto: Divulgação)

*Tatiana Moraes – Hoje em Dia (JCE)

 

A elevação da Selic de 11% para 11,25% ao ano deu fôlego aos fundos de renda fixa, cuja rentabilidade acompanha a taxa básica, mas não tirou a competitividade da poupança, que continua a opção mais rentável para o pequeno investidor. Conforme simulação elaborada pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), devido às taxas de administração cobradas pelos bancos, aplicar na caderneta é mais vantajoso sempre que o encargo cobrado pelas instituições for superior a 1,50%.

Essa característica faz com que a poupança fique interessante para a maioria dos poupadores. “Cerca de 90% das cadernetas do país têm menos de R$ 2 mil aplicados”, afirma o consultor financeiro e professor de Finanças da faculdade Novos Horizontes Paulo Vieira. O montante é inferior ao necessário para que os bancos ofereçam uma taxa competitiva, ou seja, inferior a 1,50%.

Conforme explica o diretor executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Anefac, Miguel José Ribeiro de Oliveira, as taxas mais baixas normalmente são cobradas de investidores que aplicam pelo menos R$ 5 mil. No entanto, ele ressalta que a dica de ouro é procurar pelo melhor negócio. “Um investimento de R$ 5 mil pode ser considerado pequeno para um banco e grande para outro. É necessário que o cliente pesquise”, comenta.

Com a elevação da taxa básica, o rendimento mensal médio da poupança será de 0,58%, o equivalente a 7,19% ao ano. Isso significa que quem investir R$ 10.000 terá rendimento de R$ 719 em 12 meses. O montante é maior do que se ele fosse investido em um fundo de investimento com taxas de 2,50%, que rende 6,55% ao ano. Neste caso, o cliente do banco teria um rendimento anual de R$ 655.

Nos fundos de investimento cujas taxas são de 3%, os rendimentos são ainda menores, com expectativa de 6,04%, correspondentes a R$ 604 no ano. “As taxas de administração maiores são cobradas de fundos com aplicações menores porque o administrador vai ter que comprar mais títulos e fazer mais operações. É uma prática comum de mercado”, comenta Vieira.
Caminho inverso

Oliveira, da Anefac, acrescenta que aqueles investidores que detêm maior poder de fogo devem sair da poupança e aplicar nos fundos de investimentos, mais rentáveis para grandes valores. Para fundos de investimentos que cobram taxas de 1%, por exemplo, o rendimento é de 7,96%. Isso significa que uma aplicação de R$ 10.000 se transforma em R$ 10.796 em um ano, R$ 77 a mais do que se o investidor tivesse apostado na poupança.

“O mais importante é que os investimentos escolhidos estejam de acordo com o perfil do investidor. De nada adianta uma pessoa tradicional apostar na bolsa de valores em época de eleições, por exemplo”, comenta o professor de Finanças Paulo Vieira.

Hábito de poupar deve ser formado na infância, afirma especialista

O poupador do futuro deve ser formado na infância. A afirmação é do educador financeiro e diretor da consultoria DSOP, Reinaldo Domingos, que desenvolveu uma metodologia específica para desenvolver, desde cedo, adultos conscientes da importância de guardar dinheiro. Porém, ele ressalta que o capital a ser economizado deve ter um propósito específico. “O dinheiro serve para que nós possamos realizar”, afirma.

De acordo com Domingos, é importante mostrar às crianças que os bens materiais têm preço, não caem do céu. E que pequenas ações diárias fazem a diferença para que aquele bem possa ser conquistado. “Se a criança quer um videogame, lembre a ela que economizar água no banho é um passo para conquistar aquele sonho. Reduzir o consumo de energia é outro”, diz.

Ainda de acordo com ele, todos os produtos que desejam ser consumidos pelas crianças devem ter o valor mostrado a elas pelos pais. Se uma boneca custa R$ 100, por exemplo, a criança deve saber o preço. Se um videogame custa R$ 1.000, também. Além disso, a criança deve saber quanto ela deve economizar para comprar o item de desejo.

Nessa hora, entram em cena os cofrinhos e a mesada. Os pais podem estipular um valor semanal para dar aos filhos, explicando a eles que é necessário guardar uma parte para comprar aquilo que tanto querem. Vale ressaltar que é necessário mostrar quanto deve ser economizado para adquirir cada produto, ou cada sonho material.

Outro ponto é colocar metas para que os sonhos sejam realizados. No caso dos adultos, ele ressalta que são três tempos estipulados: sonhos para curto prazo (um ano), médio prazo (dez anos) e longo prazo (mais de dez anos). As crianças devem ter um tempo diferenciado: curto prazo (três meses), médio prazo (seis meses) e longo prazo (mais de seis meses). “Os pais podem criar três cofrinhos, um para cada sonho”, comenta.

Domingos diz que ao incentivar prazos e metas as crianças entendem melhor como funciona o mundo contábil e levam para a vida os ensinamentos econômicos. “Se você incentiva prazos para que os sonhos sejam realizados elas se empenham mais para conquistá-los”, comenta o educar financeiro.

Com relação à idade para que se inicie os ensinamentos, o educador financeiro afirma que quanto mais cedo, melhor.

Relacionados
EconomiaGeral

Empreendedoras compartilham experiências em evento on-line e gratuito exclusivo para mulheres

2 Min leitura
O WOMEN Global & Powerfull será realizado nesta quinta-feira, 17 de junho, às 19h30, com Glauce Santos, que está à frente da…
Economia

Onde achar verdadeiros descontos em eletrônicos da Black Friday

3 Min leitura
Novembro é o mês mais esperado do ano por milhares de consumidores brasileiros: é nessa época que acontece a Black Friday, com…
Economia

Como encontrar CNPJ de empresas para oferecer seus serviços

3 Min leitura
Como encontrar CNPJ de empresas para oferecer seus serviços se mostra ainda mais necessário quando estamos começando nossos negócios. Porém, ir até…
Power your team with InHype

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.