EsportesFutebol

Minas Arena aciona Justiça para cobrar dívida do Cruzeiro referente a cláusulas contratuais

2 Min leitura

Concessionária do Mineirão, a Minas Arena divulgou nota oficial no início da noite desta quinta-feira informando que cobra na Justiça dívidas do Cruzeiro relativa a cláusulas contratuais não respeitadas. O valor total exigido pela administradora do estádio é de R$ 9 milhões, valor consideravelmente superior aos R$ 5,5 milhões de abril de 2015.

De acordo com a Minas Arena, “foram enviados 35 ofícios de cobrança ao clube ao longo dos dois últimos anos”. A diretoria celeste deixou de efetuar o pagamento das taxas depois da partida final da Copa Libertadores de 2013, entre Atlético e Olimpia. Na ocasião, o Galo fez um acordo mais vantajoso e conseguiu benefícios que o clube celeste não desfrutava.

O Superesportes tentou contrato com o presidente Gilvan de Pinho Tavares, que não atendeu as ligações e nem respondeu as mensagens. A reportagem também não conseguiu localizar Fabiano de Oliveira Costa, diretor jurídico do clube. No passado, o Cruzeiro chegou a alegar um suposto favorecimento ao Atlético (relembre aqui), fato negado pela Minas Arena em publicação enviada à imprensa.

Confira a nota oficial da Minas Arena:

Com relação à cobrança judicial referente à dívida do Cruzeiro com a Minas Arena, a empresa informa que não mediu esforços para que o clube efetuasse o acerto dos valores sem a necessidade de uma ação judicial. Na tentativa de solucionar essa pendência financeira, além de reuniões e propostas de negociação, foram enviados 35 ofícios de cobrança ao clube ao longo dos últimos dois anos. O contrato de fidelidade firmado entre Minas Arena e o Cruzeiro estipula que as despesas das partidas oficiais sejam divididas entre as partes.

A Minas Arena ressalta que nunca existiu contrato de fidelidade entre a concessionária e o Atlético, e que o clube utilizou o estádio na partida final da Copa Libertadores 2013 em função de decisão unilateral do Governo do Estado, comprovada por meio de ofício enviado à empresa, que assim determinou com base em prerrogativa estabelecida no contrato de Parceria Público-Privada (PPP).

Vale lembrar que a clausula referente à aquisição de direitos e deveres pelo Cruzeiro, concedidos a outro clube, somente entraria em questão, caso existisse contrato de fidelidade com qualquer outra agremiação, o que não é o caso.

A concessionária ressalta também que a empresa tem a obrigação legal de zelar pela boa administração do complexo e que a ausência de recebimento de receitas interfere diretamente no desempenho da concessão. Assim sendo, cobrar judicialmente a dívida do clube é necessário, uma vez que esta inadimplência pode chegar a impactar os cofres públicos.

A concessionária reafirma que está de portas abertas para conversar sobre novos acordos ou renegociação do contrato vigente e que se esforça para que o Mineirão esteja sempre preparado para receber, da melhor forma, os clubes mineiros interessados em mandar suas partidas no estádio.

A Minas Arena esta à disposição para quaisquer esclarecimentos que os órgãos de imprensa julgarem necessários.

Relacionados
Esportes

Mascotes do Cruzeiro e Atlético viram pelúcia e encantam torcedores

2 Min leitura
Inicialmente estão sendo distribuídas 10 mil pelúcias dos mascotes de cada clube nos equipamentos da BR Machine espalhados por todo o Brasil
Esportes

Veja quais são as principais expectativas pro jogo mais esperado da Premier League

3 Min leitura
Qualquer fã de futebol que goste de acompanhar os principais campeonatos da Europa, sabem bem da existência destes jogos que se tornaram…
Esportes

Fluminense acerta contratação de Felipe Melo até dezembro de 2023

2 Min leitura
O volante Felipe Melo se despediu recentemente do Palmeiras com o bicampeonato da Libertadores, mas já está vestindo uma nova camisa. O…
Power your team with InHype
[mc4wp_form id="17"]

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.