EspecializadoEsportes

Inspirado no homem aranha, pivô Shilton é destaque dos rebotes no NBB

2 Min leitura
Flávio Tavares / Hoje em Dia
NBB
OBSESSÃO – Shilton chegou a ter uma coleção de 637 revistinhas do aracnídeo

 

*Felippe Drummond Neto – Hoje em Dia

 

As histórias de alguns super-heróis às vezes se cruzam com as de pessoas comuns. Foi exatamente assim com o pivô Shilton, destaque do Minas na campanha do surpreendente quarto lugar no Novo Basquete Brasil (NBB). Fã do Homem Aranha, o jogador descobriu no personagem um exemplo para não desistir das dificuldades no árduo caminho até se tornar um atleta profissional.

Nascido em Cuiabá (MT), Shilton mudou-se para São Paulo aos 14 anos sonhando em jogar basquete. Como não tinha dinheiro, dormia debaixo das arquibancadas do clube no qual treinava, e o único passatempo eram as revistas em quadrinhos.

“Eu era muito pobre e tinha acabado de chegar a São Paulo quando comecei a ler o Homem Aranha. Fiquei alucinado com aquele super-herói que também era muito pobre. E, como eu não tinha dinheiro, procurava gibis usados nos sebos”, lembra o jogador.

As leituras acabaram virando uma obsessão: Shilton chegou a ter uma coleção com 637 revistinhas somente do Homem Aranha, da qual acabou se desfazendo para ajudar a um tio. “Ele precisava de um incentivo para trabalhar, e eu o apoiei a montar o próprio sebo, em Cuiabá. Para iniciar, dei todos os meus gibis”, conta o atleta.

Pouco tempo depois, a carreira deslanchou, e o pivô resolveu homenagear o herói na pele. “Eu tinha uma camisa com esse desenho dele, e meu sonho era fazer essa tatuagem. Porém, não encontrava um tatuador que fizesse. E também respeitei a vontade dos meus pais, que não queriam. Só depois que completei 18 anos fui procurar um tatuador para fazer”, explica o jogador.

Com 1,98 m de altura e mais de 100 kg, Shilton é atualmente o segundo melhor reboteiro do campeonato. Com 8,54 recuperações por jogo, ele só fica atrás de Caio Torres, do São José, cuja média é de 9,10 rebotes por partida. Mas, ao contrário do herói, Shilton não possui um “sentido-aranha” para prever os acontecimentos e mantém a humildade.

“Não tenho nenhum superpoder, apenas a minha dedicação. Posso não ser o melhor jogador tecnicamente, mas, no quesito vontade, sou invencível. Quando entro na quadra, ninguém quer vencer mais do que eu. Essa é a minha teia”, brinca.

Contemporâneo de Nenê, Splitter e Anderson Varejão, Shilton não alimenta mais esperanças de defender a seleção, apesar dos excelentes números no Minas. “Se me convocarem, vou achar que tem algo errado. Existem jogadores melhores que eu, mais jovens e com muito futuro”, admite o jogador, que fez parte da seleção campeão da Olimpíada Militar do Rio de Janeiro, em 2011, e sonhar em disputar a competição novamente neste ano, na Coreia do Sul.

Relacionados
Esportes

Mascotes do Cruzeiro e Atlético viram pelúcia e encantam torcedores

2 Min leitura
Inicialmente estão sendo distribuídas 10 mil pelúcias dos mascotes de cada clube nos equipamentos da BR Machine espalhados por todo o Brasil
Esportes

Veja quais são as principais expectativas pro jogo mais esperado da Premier League

3 Min leitura
Qualquer fã de futebol que goste de acompanhar os principais campeonatos da Europa, sabem bem da existência destes jogos que se tornaram…
Esportes

Fluminense acerta contratação de Felipe Melo até dezembro de 2023

2 Min leitura
O volante Felipe Melo se despediu recentemente do Palmeiras com o bicampeonato da Libertadores, mas já está vestindo uma nova camisa. O…
Power your team with InHype
[mc4wp_form id="17"]

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.