Notícias

Comunicações são restabelecidas gradualmente em Gaza

3 Min leitura


Logo Agência Brasil

Os moradores de Gaza procuravam por entes queridos e ouviam notícias de familiares mortos enquanto as comunicações retornavam gradualmente ao enclave neste domingo (29), após um blecaute quase total enquanto as tropas e blindados de Israel avançavam para o enclave governado pelo Hamas.

A Organização das Nações Unidas também alertou que os palestinos estavam desesperados por comida e que a ordem civil estava em colapso após três semanas de guerra com militantes do Hamas e um cerco à faixa costeira densamente povoada.

Notícias relacionadas:

Os combates intensificaram-se na noite de sexta-feira, quando as forças israelenses realizaram operações terrestres em Gaza, no que o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, descreveu como a segunda fase da guerra que visa esmagar o Hamas.

Shaban Ahmed, um funcionário público que trabalha como engenheiro e tem cinco filhos, descreveu os ataques israelenses como um “dia do juízo final”.

“Esta manhã, domingo, descobri que meu primo foi morto em um ataque aéreo contra a casa deles na sexta-feira”, disse à Reuters Ahmed, que permaneceu na cidade de Gaza apesar de um alerta israelense para ir para o sul.

“Só soubemos hoje. Israel nos isolou do mundo para nos exterminar, mas estamos ouvindo sons de explosões e estamos orgulhosos de que os combatentes da resistência os deteram a metros de distância.”

O principal porta-voz militar de Israel recusou-se a dizer se Israel estava por trás do apagão das telecomunicações, mas disse que faria o que fosse necessário para proteger as suas forças.

Os ataques aéreos israelenses têm atingido a cidade de Gaza desde o ataque do Hamas em 7 de outubro ao sul de Israel, no qual as autoridades israelenses disseram que pelo menos 1.400 israelenses foram mortos no dia mais mortal dos 75 anos de história do país.

Ahmed disse que os ataques aéreos, marítimos e terrestres de sexta-feira continuaram ininterruptos por horas.

O Hamas disse neste domingo que continuava a confrontar as forças israelenses, que mantinham as operações terrestres.

O Ministério da Saúde de Gaza disse neste domingo que um total de 8.005 pessoas foram mortas desde 7 de outubro.

Ordem CIvil

Os palestinos lutavam para encontrar os seus entes queridos no meio do caos sangrento com uma crescente crise humanitária afetando Gaza. Uma mulher que procurava um de seus filhos parou sobre os escombros na Cidade de Gaza e gritou: “Não sei onde ele está”.

Noutra parte de Gaza, as pessoas procuraram sobreviventes após os ataques aéreos israelenses no bairro de Al-Nasir. Pessoas retiraram um corpo dos escombros enquanto a fumaça subia. Uma mulher gritou. Outros carregaram os feridos.

Muitas pessoas têm estado coladas a rádios enferrujados em busca de notícias, que se tornaram o único meio de obter informações sobre os mais pesados ​​ataques aéreos israelenses na estreita Faixa de Gaza, um dos locais mais densamente povoados do mundo, com a internet e os telefones desligados.

Os serviços médicos ficaram tão sobrecarregados que as ambulâncias não atendiam mais chamadas. As pessoas atingidas pelos bombardeios dependiam de voluntários para levá-las para receber ajuda.

Os ataques aéreos concentraram-se fortemente em áreas no norte de Gaza, incluindo a Cidade de Gaza, onde ocorriam incursões terrestres.

Pessoas no sul da Faixa de Gaza disseram que ouviram as explosões e viram o céu iluminar-se – mas não tinham meios de checar a situação de familiares e amigos nas áreas visadas.

“Gaza está isolada do resto do mundo. Os ataques estão acontecendo bem perto de nós, ao nosso redor e ninguém consegue nos alcançar ou localizar o ataque”, disse Um Yehia, morador de Gaza, que foi para o sul após o alerta israelense e agora está abrigado no Hospital Nasser em Khan Younis.

A barbearia de Bilal Abu Mostafa foi destruída há duas semanas. Tal como muitos habitantes de Gaza, ele abrigou-se num hospital, onde os médicos lutam para acompanhar o ritmo das vítimas.

Ele transformou uma ambulância danificada em uma barbearia improvisada.

Depois de escurecer, ele sobe a um quarto de hospital para cortar o cabelo de “pessoas gravemente queimadas ou quebradas e que não podem descer”.

(Com reportagem adicional de Motasem Mortaga)

*É proibida a reprodução deste conteúdo.

https://ift.tt/tmpBKMJ

Relacionados
BrasilCidadesCulturaEsportesGeralNotícias

BH Stock Festival apoia o SOS Lagoa da Pampulha para recuperar o cartão postal da capital mineira

4 Min leitura
Ação conjunta visa revitalizar a Lagoa da Pampulha, destacando a importância da preservação ambiental e o impacto positivo para a comunidade local…
BrasilCulturaGeralNotícias

Com Gustavo Tubarão, PLRS Experience reúne alunos do ensino médio na estrutura do Pedro Leopoldo Rodeio Show

3 Min leitura
Iniciativa acontece no dia 13 de junho, com palestras e painéis que tem como objetivo mostrar as múltiplas possibilidades de atuação profissional…
BrasilNotícias

BH Stock Festival Anuncia corrida de rua no circuito da Stock Car

3 Min leitura
Cerca de 4000 atletas são esperados no BH Stock Run, que acontece no dia 15 de agosto   O BH Stock Festival…
Power your team with InHype
[mc4wp_form id="17"]

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.