Notícias

PF e CGU realizam operação contra fraudes em licitações no Piauí

2 Min leitura


Logo Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) e a Controladoria-Geral da União (CGU) deflagraram, nas primeiras horas desta terça-feira (19), uma operação conjunta para aprofundar a investigação de um suposto esquema de fraude em licitações e desvio de recursos públicos federais liberados por meio das emendas de relator do Orçamento, também conhecida como orçamento secreto.

Batizada de Operação Creta, a ação é um desdobramento da Operação Argentum, que a PF, a CGU, o Tribunal de Contas da União (TCU) e o Tribunal de Contas do Piauí realizaram em outubro de 2017, a fim de apurar o desvio de cerca de R$ 4,5 milhões do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef) destinado à Prefeitura de Prata do Piauí, em 2016.

Notícias relacionadas:

Segundo a CGU, a análise das provas recolhidas em 2017, bem como o monitoramento dos suspeitos, indicam que o grupo investigado atuava em outras cidades piauienses além de Prata do Piauí, fraudando licitações e contratando empresas de fachada que cometiam “irregularidades graves” também na construção ou reforma de unidades básicas de saúde, recebendo por serviços não executados.

Entre os municípios investigados a partir das provas recolhidas durante a Operação Argentum está Pimenteiras (PI), a cerca de 258 quilômetros de Teresina, alvo de uma fiscalização conjunta feita pela CGU e pela PF que constatou indícios de fraude, direcionamento de contratações públicas e irregularidades em contratos aditivos. De acordo com a PF, em Pimenteiras as obras sob suspeita estavam sendo executadas diretamente por agentes públicos municipais.

A ação desta terça-feira ocorre em Pimenteiras, Teresina, Valença (PI), Juazeiro do Norte (CE) e Brasília. Foram mobilizados 60 policiais federais e cinco auditores da CGU para cumprir 16 mandados judiciais de busca e apreensão de provas expedidos pela 1ª Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Piauí, que também autorizou o bloqueio e sequestro de cerca de R$ 17 milhões das contas dos investigados, cujos nomes não foram divulgados.

“Os fatos investigados têm impacto direto para a população dos municípios envolvidos nos desvios, já que resultam em obras não finalizadas ou executadas de forma precária. Adicionalmente, o fato de a mão de obra utilizada nas obras não ter sido formalizada resulta na precarização das relações de trabalho da população dos municípios que atuaram na execução das obras”, informa a CGU, em nota.

https://ift.tt/a6lG2gi

Relacionados
BrasilCulturaGeralNotícias

Serginho Marques celebra 40 Anos de carreira com show especial no Palácio das Artes

3 Min leitura
Apresentação será realizada no dia 26 de maio, domingo, com 12 convidados que se juntaram em prol do anfitrião, diagnosticado há três…
BrasilGeralMinas GeraisNotícias

ÚLTIMOS DIAS DO MAIOR PARQUE DE INFLÁVEIS DO MUNDO EM BELO HORIZONTE

3 Min leitura
Temporada mineira do Pula Pula Park está na reta final e atração preparou condições especiais para o público viver essa experiência Quem…
BrasilCidadesCulturaGeralNotíciasVariedades

55ª Expô Barbacena começa nesta quarta-feira com shows de Anderson Freire e Padre Alessandro Campos

5 Min leitura
A tradicional exposição agropecuária acontece de 15 a 19 de maio, no Parque de Exposições Senador Bias Fortes, com programação técnica e…
Power your team with InHype
[mc4wp_form id="17"]

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.