Os candidatos à Prefeitura de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PHS), ex-presidente do Atlético, e Délio Malheiros (PSD), vice-prefeito, partiram neste sábado para ataques verbais mais diretos. Os dois trocaram críticas e acusações. Enquanto Kalil acusou a atual gestão na PBH de corrupta, Délio chamou o empresário de caloteiro.

 

Vander Bras/Divulgação

 

Ao participar de um encontro com mulheres na Praça da Liberdade, Kalil disse que vai desalojar “a prefeitura mais corrupta da história desta cidade” e tirar dela os que “privatizaram” e “entregaram” BH para a Odebrecht. Kalil disse às mulheres que elas são as mais maltratadas na sociedade e indicou que só ele pode melhorar a situação. “Ninguém vai cuidar de vocês porque para cuidar de alguém tem que ter coração, tem que conhecer família, hombridade, não pode ter caráter frouxo”, afirmou.

O empresário disse que BH está nas mãos de pessoas desumanas. “Vamos tirar o emprego deles. Alguns não mais, porque o que pegaram já vai dar para viver muito bem para muitos anos, mas, o resto vai ter que procurar emprego”, afirmou. A agenda de Kalil na Praça da Liberdade teria a participação da líder nacional da Rede, a ex-senadora Marina Silva, mas ela não compareceu por estar doente. Questionado sobre o prejuízo da ausência, Kalil disse que não foi ele quem a convidou.
O vice-prefeito Délio Malheiros (PSD) disse que a relação da PBH com a Odebrecht é na área da educação. “Foi para a construção de 51 escolas que abriram 25 mil vagas. Elas são um modelo de parceria público-privada (PPP) no Brasil e até fora do Brasil”, afirmou. Délio acrescentou que as escolas foram construídas em tempo recorde de três anos. “Os contratos são transparentes, submetidos a qualquer crivo de fiscalização, não têm nenhuma dúvida”, disse.

Publicidade

CONDENADO Segundo o vice-prefeito, Kalil fala sem nenhuma sustentação e estaria mostrando sua proximidade com o PT. “Ele hoje é o plano A do PT. O vice dele veio do PT, foi para Rede para mascarar essa relação”, disse. Malheiros afirmou ainda que Kalil foi condenado na Justiça Federal por reter INSS de empregado e está para ser julgado em segunda instância. “Sendo confirmada a sentença, ele pode sair da disputa”, comentou.
Délio Malheiros disse que o “destempero verbal de Kalil mostra que ele não tem a menor condição de ser prefeito de BH”. O vice o chamou ainda de péssimo exemplo por dever R$ 100 mil de IPTU, valor que hoje seriam cerca de R$ 450 mil. “Ele tem quatro motocicletas de luxo e não paga o imposto, que é o principal instrumento para investir em saúde. Não é que ele não pode pagar, é a índole dele de ser um caloteiro”, afirmou. Délio fez caminhada no Aglomerado da Serra, Santa Lúcia e Gutierrez. “Fomos conversar com pessoas, ouvir mostrar o que já fizemos”, disse.