A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA), começou a instalar coletores de pilhas e baterias nos prédios públicos da administração municipal. Na Escola Municipal São Rafael, no bairro Pompeia, na região Leste, a ação foi apresentada com uma palestra e com a distribuição de panfletos aos alunos. O objetivo é buscar uma forma de incentivar a população a realizar o descarte correto desses produtos.

A ação não tem custo para a administração pública e o trabalho é uma iniciativa da Gerência de Educação Ambiental da SMMA, que buscou formas criativas para colocar o projeto em funcionamento. Estão sendo utilizados recipientes de água mineral de 20 litros, que foram doados para a captação das pilhas e baterias. Quando os recipientes estiverem cheios, a coleta será feita pelo grupo EKO, que dará destinação aos resíduos. O trabalho da PBH, por meio da SMMA, é conscientizar e incentivar o descarte correto, tendo a população como parceira por meio de ações de educação e respeito ao meio ambiente.

As pilhas e baterias de uso doméstico, embora muito importantes para fazer funcionar uma série de produtos utilizados na vida cotidiana, apresentam perigo quando descartadas incorretamente. Na composição dessas pilhas são encontrados metais pesados como cádmio, chumbo e mercúrio, que podem ser perigosos para a saúde humana. Quando jogados no lixo doméstico, esses itens vão parar em aterros sanitários ou lixões, onde liberam componentes tóxicos contaminantes para o solo e lençóis freáticos.

Segundo Cidinha Campos, gerente de Educação Ambiental da SMMA, as pilhas e baterias em funcionamento não oferecem riscos, uma vez que o perigo está contido no interior delas. “O problema é quando elas são descartadas incorretamente e passam por deformações na cápsula que as envolvem, que amassam, estouram e deixam vazar líquido tóxico. Esse líquido se acumula na natureza e a contaminação pode acabar prejudicando a agricultura e a hidrografia”, comentou.

O aluno Eduardo Jonathan falou sobre a importância de preservar o meio ambiente. “Realizei um trabalho sobre o assunto e a questão da sustentabilidade é muito importante e está presente na minha vida. Devemos cuidar do nosso planeta”, afirmou. A expectativa da SMMA é instalar coletores em todas as escolas municipais de Belo Horizonte até o fim de 2016.