A pressão parece ter surtido efeito. Os torcedores, que repetiram no Independência os protestos feitos ao longo da semana, assistiram a um América mais efetivo na vitória diante do Uberlândia, por 1 a 0, em jogo válido pela 9º rodada do Campeonato Mineiro. O triunfo, que já não era conquistado há um mês no Estadual, reconduz o time ao G4 e dá um pouco mais de tranquilidade ao técnico Givanildo Oliveira, até então muito pressionado no cargo pelos maus resultados anteriores.

Depois de marcar o único gol da partida, Rafael Bastos fez o tradicional sinal com a mão na orelha em resposta às manifestações, pedindo que as arquibancadas gritassem seu nome. Parte dos americanos não perdoou e seguiu vaiando até o fim da segunda etapa, quando o jogador acabou substituído. Givanildo também foi alvo de parte da torcida, que se dividiu entre críticas e apoio.

Agora quarto colocado, com 14 pontos, o América volta a jogar no Independência pela 10ª rodada do Campeonato Mineiro. O time de Givanildo recebe o Boa Esporte, no próximo domingo, dia 3, às 18h30. Depois dessa partida, faltará apenas um compromisso para o Coelho encerrar sua participação na primeira fase da competição. O Uberlândia – 5º colocado, com 12 pontos –, retorna ao Parque do Sabiá onde enfrenta a URT, também no domingo, às 16h. O time não vence há quatro jogos.

O jogo

Com novo esquema, o América precisou de alguns minutos para se adaptar ao posicionamento diferente de suas linhas, principalmente a defensiva, que passou a ter três zagueiros de ofício. No setor ofensivo, a boa movimentação dos homens de frente logo surtiu efeito. Aos 11’, Rafael Bastos aproveitou o ‘chutão’ do meio-campo, dominou na entrada da área e, de perna direita, marcou o primeiro gol do América. 1 a 0.

O América seguiu mostrando intensidade, impedindo o Uberlândia de buscar o jogo com a bola dominada. O time explorava principalmente o lado direito, com Pablo e Osman realizando boas triangulações. O Coelho levou perigo ao gol de Thiago Braga pelo menos em três ocasiões dos 18’ aos 28’. A principal delas com Victor Rangel, que recebeu bonito lançamento de Tony dentro da pequena área, mas foi bloqueado antes da finalização.

Desorganizado, o Uberlândia tinha enorme dificuldade para ultrapassar a linha central. Nos contra-ataques, o time de Alexandre Barroso buscava alguma saída, mas sempre pouco inspirado. Quando encontrava espaço, demorava a recompor o setor defensivo. Assim, aos 35’, quase o América ampliou. Tony voltou a fazer bom lançamento, desta vez para Pablo, que por pouco não encontrou Osman na pequena área.

Na volta do intervalo, com chuva no Horto, o ímpeto americano não diminuiu. A equipe seguiu aproveitando a deficiência na marcação pelo lado esquerdo da defesa do Uberlândia e chegou perto de ampliar o marcador. Osman encontrou Victor Rangel, aos 8’, que perdeu gol incrível, dentro da pequena área. O time voltou a perder boas oportunidades: aos 15’, quando Thiago Braga salvou; aos 17’, com Rangel falhando no passe final, e aos 19’, em arremate de bicicleta de Adalberto.

Com setor de criação inspirado, o América seguiu gerando oportunidades e sempre esteve perto de ampliar o marcador. Erros no último passe ou nas finalizações, porém, impediram o time de Givanildo Oliveira de melhorar seu saldo de gols no Campeonato Mineiro.

AMÉRICA 1 X 0 UBERLÂNDIA

AMÉRICA
João Ricardo; Artur, Alison e Adalberto; Pablo, Leandro Guerreiro, Tony, Rafael Bastos (Tiago Luís) e Bryan; Osman (Matheusinho) e Victor Rangel. Técnico: Givanildo Oliveira

UBERLÂNDIA
Thiago Braga; Edivan, Marco Tiago, Rodolfo Mol (Rairo) e Wellington; Wendel, Max Carrasco, Lenílson e Magalhães; Val Barreto (David) e Mikael (Malaquias). Técnico: Alexandre Barroso

Gol: Rafael Bastos (11’1ºT)
Cartões amarelos: Mikael, Rodolfo Mol (Uberlândia); Artur, Rafael Bastos, Victor Rangel (América)

Público pagante: 1.245
Renda: R$19.835,00

Motivo: 9ª rodada do Campeonato Mineiro
Estádio: Arena Independência
Data e hora: Sábado, 25 de março, às 16h
Árbitro: Marco Aurélio Augusto Fazekas (CBF)
Assistentes: Felipe Alan de Oliveira (CBF) e Leonardo Henrique Pereira (CBF)