GeralOpinião

Cai medida provisória que prejudicava os farmacêuticos

3 Min leitura
Os prazos para a votação expiraram e, por isso,
a MP 653/2014 não pode mais ser votada 

claudiney1 (1)

Claudiney Ferreira: “A profissão de técnico foi
criada para que os mesmos colaborem com
os farmacêuticos e não os substituam”
(Foto: Crédito: Assessoria/CRF)
*Felipe José de Jesus (JCE)      

                 

Após encerrar o prazo para votação no Senado, caiu a Medida Provisória (MP) 653/2014, que dispensava a obrigatoriedade de um bacharel em farmácia como responsável técnico (RT) nas drogarias e os substituía por técnicos. Os conselhos regionais da categoria, órgãos e associações apresentaram documentos aos parlamentares que comprovam a importância do farmacêutico para a sociedade e, o risco a saúde pública com sua ausência.

Nessa segunda matéria, conversamos com o vice-presidente do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF-MG), Claudiney Luiz Ferreira. Para ele, a queda foi justa. “Se algum estabelecimento contratar um técnico em farmácia como RT, ele será autuado e, em seguida, multado pelo CRF. Devido à inexistência da MP, a Lei 13.021/14, que obriga o estabelecimento a ter um bacharel em farmácia, passa a vigorar”, afirma.

 

Qual foi o motivo da queda da MP?

O fórum de valorização da profissão farmacêutica criado pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) conseguiu apresentar aos parlamentares, principalmente aos integrantes da comissão mista, liderada pela senadora Wanessa Graziottin (AM), a importância do farmacêutico para a sociedade e, o risco que pode ser causado à saúde pública com sua ausência. Dessa forma, os deputados e senadores não votaram o relatório apresentado pelo entendimento da importância do profissional farmacêutico em todos os estabelecimentos de saúde.

 

Para alguns juristas, a MP não prejudicaria os bacharéis, já que ela serviria apenas para empresas que se enquadram no Supersimples. Qual a visão do CRF?

Difícil entender essa proposição, pois como exigir a presença do farmacêutico em estabelecimentos de grande porte e desobrigar a presença deles em um de pequeno porte? Seria o mesmo que dizer que hospitais menores não precisariam de médicos e enfermeiros, mantendo a presença obrigatória desses profissionais em hospitais maiores. O medicamento vendido e a orientação prestada ao paciente são os mesmos em farmácias pequenas e grandes.

 

Como fica a situação dos técnicos em farmácia agora?

Os técnicos já não podiam ser responsáveis pelos estabelecimentos, pois os mesmos não eram inscritos nos conselhos de classe. A profissão de técnico foi criada para que os mesmos colaborem com os farmacêuticos em suas atividades diárias e não para substituí-los. Os técnicos de enfermagem não substituem os enfermeiros e os técnicos em massoterapia não substituem os fisioterapeutas. Seria interessante, nesse momento, os parlamentares pensarem uma legislação em que fosse obrigatória a presença dos técnicos nos estabelecimentos farmacêuticos, em substituição aos balconistas e vendedores. Aumentaria muito a qualificação técnicas nas farmácias e drogarias em prol da saúde da comunidade.

 

Caso algum estabelecimento intitule um técnico como RT, qual é a penalidade?

O estabelecimento será autuado pelo Conselho Regional onde estiver inserido, já que não declara a presença e prestação do serviço do profissional farmacêutico. Devido à inexistência da MP 653/14, a Lei 13.021/14 passa vigorar conforme aprovação, tendo a obrigatoriedade da presença do farmacêutico durante todo o horário de funcionamento do estabelecimento.

 

Existe uma fiscalização do CRF quanto à contratação de técnicos como RT?

O CRF-MG possui fiscais residentes e atuantes em todo o Estado. Todos os estabelecimentos farmacêuticos são fiscalizados e aqueles que não comprovam a presença e assistência profissional são autuados. A fiscalização transcorrerá normalmente seguindo as novas legislações em vigor.

 

O que representa para a classe farmacêutica e o CRF essa queda? A situação pode voltar a ameaçar os bacharéis em farmácia futuramente?

Fica o entendimento que as farmácias e drogarias são estabelecimentos de saúde e não meramente instituições comerciais. Muitos proprietários esquecem que o mesmo medicamento que cura pode matar e se preocupam somente com a venda dos produtos.  Nessa última campanha eleitoral ainda tivemos o financiamento de campanhas de deputados estaduais e federais por pessoa jurídica. Quando analisamos as declarações de campanha dos deputados, principalmente aqueles que criaram emendas nas MP 653/14, nos deparamos com depósitos de redes de drogarias que relutam em manter farmacêuticos em seus estabelecimentos. Dessa forma, outros projetos de lei podem surgir.

– See more at: http://www.jornaledicaodobrasil.com.br/site/cai-medida-provisoria-que-prejudicava-os-farmaceuticos/#sthash.9oKotzi4.dpuf

Relacionados
BrasilCulturaGeralNotícias

Serginho Marques celebra 40 Anos de carreira com show especial no Palácio das Artes

3 Min leitura
Apresentação será realizada no dia 26 de maio, domingo, com 12 convidados que se juntaram em prol do anfitrião, diagnosticado há três…
BrasilGeralMinas GeraisNotícias

ÚLTIMOS DIAS DO MAIOR PARQUE DE INFLÁVEIS DO MUNDO EM BELO HORIZONTE

3 Min leitura
Temporada mineira do Pula Pula Park está na reta final e atração preparou condições especiais para o público viver essa experiência Quem…
BrasilCidadesCulturaGeralNotíciasVariedades

55ª Expô Barbacena começa nesta quarta-feira com shows de Anderson Freire e Padre Alessandro Campos

5 Min leitura
A tradicional exposição agropecuária acontece de 15 a 19 de maio, no Parque de Exposições Senador Bias Fortes, com programação técnica e…
Power your team with InHype
[mc4wp_form id="17"]

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.