Geral

Calor faz varejo aumentar o faturamento

3 Min leitura
Depois de um Natal magro, o comércio especializado na venda de produtos
para refrescar lucra com o clima quente e pouca chuva

SONY DSC

 

Comércio está cada vez mais lotado por causa do Verão
(Foto: www.assetur.com.br)

 

*Marinella Castro

 

Com sensação térmica ultrapassando os 30°C, a população se refresca como pode para fugir do calorão das últimas semanas. Aproveitando os termômetros nas alturas e o tempo firme, quem não reclama da estiagem prolongada é o varejo. Depois de um Natal magro, com vendas aquém do esperado, o comércio especializado na venda de produtos para refrescar lucra com o clima quente e pouca chuva. Donos de sorveterias, assim como o varejo de eletrodomésticos, aproveitam o crescimento nas vendas de produtos como ventiladores e climatizadores de ambiente, que já estão até 30% maiores neste verão. Produtos em promoção somem do estoque.

Enfrentando o calor da tarde, a dona de casa Maria de Fátima Santos foi ao Centro de Belo Horizonte em busca de ventiladores para refrescar as noites da família. Com as mãos segurando três grandes pacotes, um ar suado mas satisfeito, ela espera dormir melhor depois da compra. “Já temos três ventiladores em casa, mas eles não estão sendo suficientes, somos seis pessoas.” Depois de pesquisar preços, Maria de Fátima comprou outros três aparelhos. Pagou R$ 99 em cada, que serão quitados no crediário. “É só o tempo esquentar que produtos como ventiladores e climatizadores não param no estoque. A demanda cresce muito”, observa Wylmer Garcia, gerente de uma loja na Rua Curitiba, Região Central de BH.

A demanda do consumidor e das empresas para driblar as altas temperaturas impulsiona o segmento. Denise Daher, sócia-proprietária das Lojas Orlando, especializada em ar-condicionado, diz que o modelo mais procurado é o split, que custa a partir de R$ 1 mil. Ela observa que o clima de Belo Horizonte se tornou mais quente, impulsionando a procura, que chega a avançar 30% a cada verão. “A demanda de empresas é muito grande, mas o uso doméstico também cresceu. Algumas residência optam por instalar ar-condicionado na casa inteira”, reforça.

O aposentado Eloim Cerne aproveitou uma promoção para ir buscar o ventilador da família. O estoque da loja estava esgotado para pronta-entrega, mas queria aproveitar o preço, R$ 59,90, e decidiu esperar dois dias até ter o produto nas mãos. Já a diagramadora Elizabete Miranda estuda substituir o antigo ventilador, que parou de funcionar, por um climatizador que custa pouco mais de R$ 300. “O investimento é maior, mas acho que pode compensar. Na década de 70, a cidade era bem mais fresca”, comenta. Na Casa do Vento, loja de ventiladores no Bairro Gutierrez, o gerente Eduardo Ferreira diz que os modelos mais procurados são os portáteis de 30 centímetros e também os produtos para o teto com lâmpadas econômicas, que custam a partir de R$ 149,90.

DELÍCIA NA CASQUINHA Gelado, na taça, na casquinha ou no pote para levar para casa, a arma da bancária Isabela Guimarães e do comerciante Felipe Costa para enfrentar o clima quente é o sorvete. Os noivos consideram que Belo Horizonte tem muitas opções de sorveterias e comentam que o lazer é acessível ao bolso. Três vezes por semana, o sorvete entrou para o cardápio do casal, que gasta, em média, R$ 40 a cada vez. “Tomamos na rua, na sorveteria e também em casa. Tem feito muito calor”, diz Felipe.

Há oito anos no mercado, a sorveteria Alessa, que funciona no Bairro de Lourdes, comemora a alta temporada com tardes e noites de casa cheia. “Nossa projeção de crescimento para 2015 é de 30% em relação ao ano anterior e esse é também o crescimento que temos de vendas no verão em relação ao inverno. Já temos franquias em Búzios, Rio de Janeiro e no Shopping Pátio Savassi. Novas negociações estão acontecendo para outras lojas, tanto em BH como em cidades de outros estados”, diz Andrea Manetta, dona do negócio. Com sorvetes artesanais, que custam em média R$ 10 a bola, a Alessa lança neste verão a granita, sobremesa semicongelada preparada com açúcar, água e frutas, receita siciliana.

Nos últimos dez anos, o consumo de sorvete pelo brasileiro cresceu 61%, e hoje a média é de 6,1 litros por habitante ao ano. “Ainda temos poucas sorveterias na cidade e o consumo dos brasileiros em comparação à Europa, por exemplo, ainda é muito pequeno. Temos um mercado muito fértil a trabalhar”, aposta Andréa. Desde 1991 fabricando sorvetes e picolés, a mineira Nevada é outra indústria que aposta na demanda firme dos gelados. Segundo o diretor Runivam Welington, a demanda chega a dobrar entre novembro e fevereiro. A Nevada está agora investindo em novas instalações e se prepara para ter sede própria em 2015.

Com 60 pontos de vendas em Minas Gerais, Glayson Cruz, gerente de operações em Belo Horizonte e região metropolitana da Rede Bob’s, explica que o peso de sorvetes e milkshakes no faturamento da empresa salta de 30% para 45% entre dezembro e março. “Um de nossos carros-chefes no verão é o milkshake de Ovomaltine”, revela Cruz.

Relacionados
BrasilCulturaGeralNotícias

Luísa Sonza apresenta show da turnê "Escândalo Íntimo" no Jardim Canadá

3 Min leitura
Apresentação, que marca os 10 anos da DM Universitária, acontece no dia 10 de agosto, no Star415, e os ingressos já estão…
BrasilCulturaGeralNotícias

Serginho Marques celebra 40 Anos de carreira com show especial no Palácio das Artes

3 Min leitura
Apresentação será realizada no dia 26 de maio, domingo, com 12 convidados que se juntaram em prol do anfitrião, diagnosticado há três…
BrasilGeralMinas GeraisNotícias

ÚLTIMOS DIAS DO MAIOR PARQUE DE INFLÁVEIS DO MUNDO EM BELO HORIZONTE

3 Min leitura
Temporada mineira do Pula Pula Park está na reta final e atração preparou condições especiais para o público viver essa experiência Quem…
Power your team with InHype
[mc4wp_form id="17"]

Add some text to explain benefits of subscripton on your services.